A medicina natural Cigana

A medicina natural Cigana

medicina

O Povo Cigano acumulou através dos tempos conhecimento milenares de medicina natural fundamentada no uso de ervas utilizando sob a sua forma de banhos, emplastos, infusões, chás e etc. Associadas a uma infinidade de técnicas naturais. Estas técnicas são o resultado de diversas experiências trocadas pela permanência do Povo Cigano com diferentes povos, já que o Povo Cigano é essencialmente nômade (andarilhos). Todos seus conhecimentos sobre a Natureza e o uso dos recursos naturais para a medicina natural é uma mescla de tudo o que assimilaram através desses contatos e o que já trazem na bagagem desde sua origem.

Por exemplo, os Feiticeiros Ciganos (Kaku) afirmam que a medicina natural utilizada pelos Ciganos lembra muito à medicina que é utilizada pelo povo Indiano a medicina Ayurvedica. Diz uma “lenda” antiga que o Povo Cigano teria vindo do Norte da Índia, onde ainda existem Povoados Ciganos que cultuam a mesma tradição.

Para os Ciganos a cura física tem íntima relação com o Plano Astral, portanto, enquanto tratamos do físico, o Astral também é tratado através de associações de ervas ou demais compostos que atuam nesses dois níveis.

OBS.: As Ervas relacionadas abaixo podem ajudá-lo(a) em alguns procedimentos curativos, contudo antes de utilizá-las consulte um especialista.

 

 

 

FOLHA DE LARANJA:

É desintoxicante e hidratante, levemente diurética e laxativa. Em dose moderada acalma, em excesso gera hiperacidez e sensação no estômago.

CAMOMILA

Anti espasmódico, calmante, cicatrizante, tônico, anticéptico, antiinflamatório, antialérgico.
Indicado nas inflamações da mucosa gastrointestinal, nas colites e cólicas biliares.

CAPIM LIMÃO

Excitante gástrico, sedativo, analgésico, antitérmico, antibacteriano quando usado externamente.
Indicado em nervosismo, insônia, dores de cabeça e flatulência.

COENTRO

O chá feito com as sementes que saem dos frutos sem polpa (uma colherinha para um copo de água fervente) ajuda a aliviar espasmos, combate gases intestinais e auxilia nas funções digestivas e hepáticas. Funciona também como anti-séptico. Erva antiqüíssima  mencionada no velho testamento, já era usada pelo grego Hipócrates, o pai da medicina.

Toxidade: em doses diárias excessivas pode causar perturbações renais

Alecrim

O Alecrim serve para ajudar no tratamento de depressão leve, fadiga, dor de cabeça, enxaqueca, má digestão, gases, tosse, sinusite, bronquite, problemas de concentração, fortalece a memória, gastrite e úlcera estomacal, artrite, artrose, reumatismo, cistite, menstruação irregular, cólica menstrual e tensão pré-menstrual (TPM).

Efeitos colaterais do Alecrim

Os efeitos colaterais do Alecrim incluem reações alérgicas, quando consumido em excesso.

Contra indicações do Alecrim

O Alecrim está contra indicado para grávidas e mulheres amamentado, assim como crianças