Os Caçadores

Òdé significa Caçador

Falar sobre Orisá é maravilhoso, agora falar sobre a família dos caçadores isso é prazeroso. Falaremos um pouco sobre os grandes guerreiros e guerreiras caçadores, que são: Òtí e Osóòsi, Ibu alama e Irinlé.   Mas porque falaremos sobre isso?  Deixaremos claro que cada culto é um culto único e diferenciado, e que não estamos aqui para falar sobre seu asé e sim sobre contos e lendas os tão famosos Itons. Assim abriremos um leque de possibilidades sobre essas personalidades que embelezam e enriquecem nosso culto.

Porque acreditasse que esses Orisá são andrógenos? A verdade é uma só, por consequência de histórias atravessadas e mal contadas que muitos imaginam que estes Orisá são seis meses homens e seis meses mulheres. Devemos entender que eles (as) são os guardiões dos pássaros aquáticos, dos que andam e vivem nos rios e lagos, sua função é a proteção de tais aves.

Só que quando estes Orisá não estavam protegendo tais pássaros eles (as) eram pescadores (as), por isso são cultuados na beira do rio, mas quando acontecia à baixa dos rios eles adentravam para as matas. Dentre os caçadores temos como destaque Òti e Osóssi, grandes guerreiras e formidáveis caçadoras, Osóòsi é detentora da prosperidade.  Temos também Irinlé e Ibu alama que aparecem dentro do culto por sua força e agilidade. Dentro da tradição dos Olodés existiam alguns tabus que deveriam ser seguidos na antiga tradição, Dizia-se que o culto dos Olodés era apenas para homens e que as mulheres não poderiam ingressar. Só que muito espertas e ousadas para poderem adentrar ao culto dos Olodés elas se vestiam como homens e passavam despercebidas, participando e interagindo de tudo o que acontecia ali.

Então caros leitores temos que entender que não existe Odé Òti, você é de Òdé Òósotòkánsòsó ou de Òti.

Outro erro é achar que existe Odé Irinlé,  você é de Odé ou de Irinlé, como já explicamos são Orisá distintos.  Algumas aldeias na Nigéria também misturam o culto de Osóòsi com o culto de Òsányìn, porque Osóòsi é a grande caçadora e sempre está manipulando a energia das folhas, mas não quer dizer que ela seja Òsányìn. Temos também os parentescos onde dizem que Osóòsi é filha de Yewa, vamos tentar entender?  Citasse que Omolulu-Olodo conhecida como Yewa é a mãe de Osóssi, em alguns itons relatasse sobre isso. Òtí filha de Òbaatalá com Osun. Em alguns lugares é chamada de Oké, filha de Oloroké com Osun, daí o surgimento de Osun Oké, sendo na verdade Osun a rainha da cidade de Oké e não temos relatos dessa divindade Osun Oké. Uma Osun que carregava ofá era sim a esposa do rei, o rei de Oké. Por isso que muitas pessoas fazem confusão criando cultos e Orisá.  Os cultos e Orisá que realmente existem muitas vezes não são nem lembrados muito menos cultuados, gerando um problema que confunde a cabeça dos seguidores e propagando-se histórias com meias verdades. Ainda falando de lendas e Itons, existe uma lenda onde diz que Irinlé é filha de Òbaatalá com Osun e existem outros itons que relatam que Osóòsi seria filha de Yewa com o rei da antiga Daomé. Estão vendo como são vários itons onde são relatadas várias histórias. Mas focando em Òti, ela é uma bela e charmosa mulher que tinha algumas deficiências. Alguns itons dizem que ela teria três seios e em outros itons quatro.  Era romântica, sonhadora e despertava certo encanto nas pessoas, sempre falando baixo, manso e com um sorriso no rosto no qual ela conseguia acumular riquezas, amores e passou a ser conhecida na sociedade, seu pai muito ciumento sempre quis protege-la. Para ir à cidade ela se vestia como os Olodé, usava ofá, facão, bilalas, tudo o que os caçadores usavam para mostrar sua imponência na sociedade. Estas caçadoras têm culto próprio, elas têm referência, folhas, rezas, itons, oriki e oro próprio, tudo que explica a passagem de cada uma delas, só que devemos sempre lembrar que em alguns lugares na Nigéria irão dizer que Irinlé é caçador de elefante e também ibu alama a grande pescadora. Também existem lugares que dizem existir dois Orisá, (Irinlé) e que este Orisá criou oito ibodu.

Ibodu são pequenas lagoas no qual ele toma conta e então dá estas lagoas para outras divindades tomarem conta, isto está dentro do odú Okaran Ogbe e também no Ogbékaran que fala sobre as lagoas de ibodu. Então estes Orisá têm particularidades, mas são Orisá que vivem juntos, devido ter a mesma função. Eles protegem os pássaros nas lagoas e vigiam as pescas. Porem quando a maré baixa estes Orisá vão pra terra caçar, caçam pequenos animais como coelhos e vários outros tipos de bichos mata a dentro apenas para sua sobrevivência. Existem relatos que Òti também conheceria a face da morte e saberia como evita-la. Tem um iton que diz que Òti é uma caçadora tão poderosa que consegue invocar a força de Iyamin Òsórongá. Mas porque deste iton?

Por que toda riqueza e prosperidade pertencem às mulheres. Você já ouviu falar que Ajé é masculino?  Claro que não, porque é um Orisá feminino, que seria a contrapartida de Ajè. Todas essas explicações é um conhecimento muito importante, se você não conhece estes cultos, não conhece seu próprio Orisá, então procure estudar, frequente uma casa onde seu zelador (a) possa te dar informações do culto do seu Orisá. Vejo as pessoas falando de Ologunedé, elas não conhecem a manifestação e a força que este Orisá tem, e quem realmente é Ologunedé. Porque hoje em dia as pessoas estão acomodadas e acostumadas naquele conhecimento arcaico, que não se importam em realmente desvendar os grandes mistérios que existem, não que seja um mal conhecimento, mas, é um conhecimento danificado como telefone sem fio. É um conhecimento no qual já tivemos muitas evoluções e muitos contatos com sacerdotes do culto destes Orisá no brasil. Podemos melhorar nosso culto e não o abandonar, o que aprendemos é de extrema importância e podemos complementar tudo isso, tornando um culto completo sem emendas. Não temos a necessidade de dizermos que agora tudo é só Ifá, mas sim aprimorarmos e aprendermos sobre nosso culto e entendermos os Iton de cada Orisá. O que fazer para aquele Orisá e o porquê devemos inicia-lo em alguém. Então vamos atrás de informações sobre o culto, suas origens para entendermos melhor. E então começarmos a criar bases solida. Muitas vezes não conseguimos informações por preguiça ou porque não queremos pagar por elas, achando que o conhecimento é de graça e que ninguém paga pelas coisas que são utilizados no culto daquele Orisá. Vamos estudar e nos aprimorarmos.

Ase em seus caminhos.

Marcelo Alban